Portaria nº 1510 - Perguntas frequêntes

by Fabio 29. julho 2010 19:15

Algumas Duvidas sobre o Ponto Eletronico Digital:

 

 

 

 

  1. Quais são os principais pontos da Portaria MTE 1.510/2009?

 

a. Pro&íacute;be todo tipo de restrição à marcação de ponto, marcações automáticas e alteração dos dados registrados;
b. Estabelece requisitos para o equipamento de registro de ponto, identificado pela sigla REP (Registrador Eletrônico de Ponto);
c. Obriga a emissão de comprovante da marcação a cada registro efetuado no REP;
d. Estabelece os requisitos para os programas que farão o tratamento dos dados oriundos do REP;
e. Estabelece os formatos de relatórios e arquivos digitais de registros de ponto que o empregador deverá manter e apresentar à fiscalização do trabalho.

 
   2. Quando a portaria entra em vigor?
 

   Na data de sua publicação, 21/08/2009, exceto para o uso do REP, que se tornará obrigatório após 1 ano. Observando que nos primeiros noventa dias de vigência da portaria a fiscalização será orientativa, conforme art. 627 da CLT e art. 23 do Decreto nº 4.552/2002, Regulamento da Inspeção do Trabalho.

 
   3. Qual o prazo para a adaptação dos programas de tratamento dos dados de registro de ponto à portaria?
 

   A adaptação dos programas deve ser feita imediatamente. Como dito na questão precedente, a fiscalização terá caráter orientativo nos primeiros 90 dias de vigência da portaria.

 
   4. O uso de registro eletrônico de ponto passou a ser obrigatório?
 

   Não. O artigo 74 da CLT faculta o uso de registro de ponto manual ou mecânico. Porém, se o meio eletrônico for adotado, deverão ser seguidas as instruções da Portaria MTE nº 1.510/2009.

 
   5. Quais os principais requisitos do REP?
 

a. Ter como finalidade exclusiva a marcação de ponto;
b. Possuir memória das marcações de ponto que não possa ser alterada ou apagada;
c. Emitir comprovante a cada marcação efetuada pelo trabalhador;
d. Não possuir mecanismo que permita marcações automáticas ou restrições às marcações.

 
   6. O MTE especificará um modelo de referência de REP?
 

   Não. Cada fabricante de equipamentos deverá desenvolver seu equipamento. O MTE estabeleceu regras que devem ser seguidas, mas não especificará tecnologias para a implementação do REP.

 
   7. Quem atesta que o REP atende aos requisitos da Portaria MTE nº 1.510/2009?
 

   órgãos técnicos credenciados pelo MTE serão responsáveis por certificar que os equipamentos atendem as normas vigentes, especialmente a Portaria MTE nº 1.510/2009.

 
   8. Será permitido o registro de ponto em terminal de computador?
 

   Não. O registro de ponto de forma eletrônica deverá ser feito obrigatoriamente por meio do REP.

 
   9. O empregador pode restringir o horário de marcação de ponto?
 

   Não. Nenhuma restrição à marcação é permitida.

 
   10. Se nenhum dado pode ser alterado ou apagado, qual o procedimento para marcações incorretas?
 

   O programa de tratamento admitirá a inserção justificada de informações, seja para a inclusão de marcação faltante, seja para a assinalação de marcação indevida. Porém, os dados originais permanecerão.

 
   11. O REP poderá emitir um comprovante de marcação de ponto por dia?
 

   Não. é obrigatória a emissão de um comprovante a cada batida.

 
   12. A emissão do comprovante é obrigatória desde já?
 

   Não. A emissão do comprovante só será exigida quando o uso do REP se tornar obrigatório.

 
   13. Após o prazo de 1 ano previsto na portaria, os equipamentos de registro de ponto que não sigam seus requisitos poderão continuar a ser utilizados?
 

   Não. Apenas serão permitidos os equipamentos certificados.

 
   14. Os relatórios e arquivos digitais, na forma padronizada prevista na portaria, já são obrigatórios?
 

   Sim, à exceção do Arquivo Fonte de Dados no formato previsto. Este, até que o REP torne-se obrigatório, será fornecido pelo empregador no formato produzido pelo equipamento atualmente em uso.

 
   15. Como o empregador poderá saber se o REP é certificado?
 

   Os equipamentos certificados serão cadastrados no MTE e poderão ser consultados por meio de seu s&íacute;tio na internet.

 
   16. Haverá certificação para os programas de tratamento dos dados?
 

   Não. Caberá ao fornecedor dos programas garantir que estes atendem aos requisitos da portaria. Também cabe ao empregador usuário dos programas verificar a adequação destes à portaria.

 
   17. Quais os órgãos credenciados para a certificação de REP?
 

   O MTE está em processo de credenciamento dos órgãos. À medida que forem credenciados, o MTE fará divulgação por meio de seu s&íacute;tio na Internet.

 
   18. Os fabricantes de REP deverão se cadastrar no MTE?
 

   Sim. O Cadastramento será feito pela internet, no s&íacute;tio do MTE, em página que estará dispon&íacute;vel em breve.

 
   19. Haverá cadastramento dos fornecedores de programas de tratamento de registros de ponto eletrônico?
 

   Não. Estes deverão apenas entregar ao empregador usuário Atestado Técnico e Termo de Responsabilidade, que deverá permanecer arquivado à disposição da Inspeção do Trabalho.

 
   20. O empregador poderá desenvolver o seu prórpio Sistema de Registro de Ponto Eletrônico (SREP)?
 

   Sim, desde que atendidos todos os requisitos previstos na portaria. No caso do REP, este deverá seguir os procedimentos de certificação do equipamento e cadastramento no MTE. O programa de tratamento também poderá ser criado pelo empregador, neste caso o responsável técnico assinará o Atestado Técnico e Termo de Responsabilidade previsto na portaria, o qual ficará dispon&íacute;vel para a fiscalização do trabalho.

 
   21. A portaria 1.510 trata do controle de acesso do empregado ao local de trabalho?
 

   Não. A portaria trata exclusivamente do controle de jornada de trabalho. O acesso ao local de trabalho, seja por catraca eletrônica ou qualquer outro meio, por empregados ou qualquer pessoa é determinado pelo poder diretivo do empregador sobre seu estabelecimento, respeitadas as restrições previstas na legislação.

 
   22. A portaria 1.510 franqueia ao empregado livre acesso ao local de trabalho, independente do horário?
 

   Não. O inciso I do art. 2° prevê que não haja qualquer restrição à marcação de ponto. A portaria não altera em nada o poder do empregador de controlar o acesso do empregado ao local de trabalho, nem de fazer cumprir a jornada do trabalhador. O SREP deve apenas registrar fielmente as jornadas efetivamente praticadas pelos empregados, ou seja os horários de in&íacute;cio e término de jornada e de intervalos, quando não pré assinalados.

 
   23. A marcação de ponto poderá ser feita remotamente?
 

   Não. As marcações de ponto só poderão ser efetuadas diretamente no REP pelo empregado.

 
   24. O REP poderá se comunicar com outros equipamentos?
 

Sim. O REP, desde que certificado por órgão técnico credenciado pelo MTE, poderá ser conectado a outros equipamentos, seja para enviar informações sobre os registros armazenados, seja para receber dados de identificação dos empregados para configuração. Dois pontos importantes a observar:
a) O REP não pode depender de conexão externa para seu funcionamento, conforme inciso VII do art. 4°.
b) De acordo com o inciso VIII do art. 4°, não pode haver comunicação durante a marcação de ponto, compreendida como os passos descritos nas al&íacute;neas do inciso I do art. 7°. Ou seja, a comunicação com dispositivos externos só pode ocorrer quando o equipamento estiver em estado de espera e essa comunicação não deve afetar a disponibilidade do equipamento para que o trabalhador possa efetuar a marcação de ponto.

 
   25. O REP pode ter função de catraca eletrônica ou fazer parte dela?
 

   Não. O art. 3° prescreve que o REP será usado exclusivamente para o registro de ponto, portanto não pode ter outras funcionalidades.

 
    26. O REP deverá funcionar no m&íacute;nimo 1.440 horas em caso de falta de energia?
 

   Não. O requisito de funcionamento de 1.440 horas em caso de falta de energia se aplica unicamente ao relógio interno do REP e não a todo o equipamento.

 
   27. Uma empresa poderá utilizar sistema eletrônico em um setor/estabelecimento e manual em outro?
 

   Sim. A Portaria 1.510/2009 disciplina apenas o sistema eletrônico. Não cria nenhuma restrição à utilização dos sistemas manuais e mecânicos.

 
   28. Poderão ser inclu&íacute;das no REP informações sobre o horário de trabalho do empregado, férias, afastamentos, etc?
 

   Não. O REP serve unicamente como meio de marcação de ponto. Informações sobre o horário contratual do empregado e outras necessárias à apuração da jornada deverão estar dispon&íacute;veis no Programa de Tratamento de Registro de Ponto.

 
   29. Se o horário do empregado não estará dispon&íacute;vel no REP, como o equipamento identificará se uma marcação é de entrada ou de sa&íacute;da?
 

   O reconhecimento das marcações como entrada ou sa&íacute;da ao serviço será feita no Programa de Tratamento de Registro de Ponto com base na ordem em que são registradas.

 
   30. Uma vez que o empregado será identificado no REP pelo PIS, como fazer com o trabalhador recém admitido que ainda não possui número de PIS?
 

   Todo trabalhador precisa ter número de PIS, até para efeito de recolhimento ao FGTS e informação ao CAGED. Para o empregado de primeiro emprego, caso não possua PIS nos primeiros dias de trabalho, o controle poderá ser feito manual ou mecanicamente até que ele receba o seu número de PIS.

 
   31. Durante os doze meses, contados da data da publicação da Portaria 1.510/2009, a que o empregador não está obrigado?
 

Durante os doze meses, contados da data da publicação da Portaria 1.510/2009, o empregador não está obrigado a:
1. utilização do REP;
2. geração dos dados originais na forma do Arquivo-Fonte de Dados – AFD;
3. impressão do comprovante do trabalhador;
4. emissão da Relação Instantânea de Marcações com as marcações efetuadas nas vinte e quatro horas precedentes.

 
   32. A Portaria 1.510/2009 revogou a portaria 1.120/1995?
 

   Não. Desde que autorizados por convenção ou acordo coletivo de trabalho, os empregadores poderão adotar sistemas alternativos de controle da jornada de trabalho, porém caso façam opção por sistema eletrônico, deverão obedecer ao disposto na portaria 1.510/2009.

 
   33. O que fazer quando a memória MRP encher?
 

   A solução técnica será criada pelo fabricante e certificada pelo órgão técnico credenciado de forma a atender à legislação relativa à guarda de documentos e informações.

 
   34. Uma empresa terceirizada poderá utilizar o REP da tomadora de serviço para marcação da jornada dos seus trabalhadores que prestam serviço no local da contratante? (Alterada)
 

   Não. A Portaria MTE 1.510/2009 não prevê mais de um empregador por REP.

 
   35. Os equipamentos atualmente em uso podem ser adaptados para se transformarem em REP?
 

   A solução técnica para fabricação do REP é do fabricante, que deve observar o disposto na Portaria 1.510/2009, especialmente a necessidade de certificação por órgão técnico credenciado.

 
   36. Quando a Portaria entrar totalmente em vigor, será admitida alguma forma de registro eletrônico de ponto que não utilize o REP?
 

   Não.

 
   37. A Portaria MTE 1.510/2009 aplica-se a trabalhadores não regidos pela CLT?
 

   Não.

 
   38. Será definido algum padrão de implementação para o Programa de Tratamento?
 

   Não, cada desenvolvedor deverá definir a forma como implementará esse programa, respeitando as regras da Portaria MTE 1.150/2009, que exige, entre outros requisitos, que não haja modificação ou exclusão dos dados originais e que sejam emitidos relatórios e arquivos de dados padronizados.

 
   39. Serão definidas as justificativas que serão aceitas para as correções de marcações no Programa de tratamento?
 

   Não. é responsabilidade do empregador controlar o ponto dos empregados, dessa forma cabe a ele incluir e documentar as justificativas que, eventualmente, poderão ser analisadas pela Fiscalização do Trabalho ou mesmo pela Justiça do Trabalho. Essa definição decorre do poder diretivo do empregador.

 
   40. Adotado o REP, é obrigatório o registro do intervalo de repouso no equipamento?
 

   Não. O § 2º do art. 74 da CLT admite a pré-assinalação do per&íacute;odo de repouso. é facultado ao empregador exigir ou não o registro da entrada e sa&íacute;da dos intervalos de seus empregados. Entretanto, as convenções e acordos coletivos de trabalho poderão prever a obrigatoriedade da marcação nos intervalos.

 
   41. As pausas de 10 minutos, previstas na Norma Regulamentadora 17 – Ergonomia - em seu item 17.6.4, item c, para atividade de entrada de dados em sistemas de processamento eletrônico de dados, devem ser marcadas no REP?
 

   Não, esses 10 minutos não constituem intervalo de repouso/alimentação, mas sim pausas inseridas na jornada de trabalho para garantir a saúde do trabalhador. O empregador deverá utilizar outra forma de controle das pausas para demonstrar o cumprimento da citada norma.

 
    42. O REP emitirá copia do Comprovante de Registro de Ponto do Trabalhador para o empregador?
 

   Não. O Comprovante será emitido em via única destinada ao trabalhador.

 
   43. Quando adotado o REP, o que o empregador deverá fazer quando o equipamento não estiver funcional?
 

   A solução para uma eventual indisponibilidade do REP é de responsabilidade do empregador, mas, dentre as poss&íacute;veis alternativas, ele poderá utilizar o controle manual.

 
   44. Quais serão as consequências para quem tiver um sistema de ponto eletrônico não adequado às normas do MTE?
 

   O ponto eletrônico utilizado de forma diversa do previsto na Portaria MTE 1.510/2009 não servirá para comprovar o cumprimento da obrigação prevista no art. 74 da CLT, ou seja, acarretará todas as conseqüências legais dessa omissão, entre as quais a aplicação de multas administrativas e as dificuldades de apresentação de elementos comprobatórios da jornada de trabalho em eventual ação judicial.

 
   45. A portaria prevê a tecnologia que será empregada na impressão, por exemplo impressão matricial ou térmica?
 

   Não. O fabricante escolherá a alternativa que achar mais conveniente. A portaria apenas determina que a impressão deverá ter duração de 5 anos em condições normais. Cabe ao fabricante indicar os insumos que atendem à exigência de durabilidade e ao empregador seguir a indicação do fabricante.

 
   46. No momento do registro, o REP pode se comunicar com equipamentos externos para obter dados necessários à identificação do empregado? Por exemplo, comunicar-se com o banco de dados central da empresa para verificar dados biométricos?
 

   Não. Todos os dados necessários à operação do REP deverão estar armazenados na Memória de Trabalho (MT) do equipamento.

 
   47. O REP poderá ser programado para fazer automaticamente o ajuste para o horário de verão?
 

   Sim. O ajuste deverá ser registrado na Memória de Registro de Ponto, conforme inciso III do art. 6º da Portaria MTE 1.510/2009.

 
   48. Os fabricantes de REP deverão obrigatoriamente fabricar o Programa de Tratamento para fornecê-lo com o equipamento?
 

   Não. O fabricante pode fornecer o programa de tratamento se quiser.

 
   49. O empregador pode utilizar para seu controle modelo de Espelho de Ponto diferente do especificado no anexo II?
 

   Sim. O empregador pode utilizar outro modelo de relatório para o seu controle, desde que mantenha o Relatório de Espelho de Ponto, conforme o anexo II da Portaria MTE 1.510/2009 à disposição inspeção do trabalho para apresentação quando requisitado.

 
   50. A empresa deve imprimir todos os meses os Relatórios de Espelho de Ponto?
 

   A empresa é livre para escolher o momento da impressão, desde que os relatórios estejam à disposição da inspeção do trabalho na forma legal.

 
   51. Como ficam as empresas que adotaram o ponto eletrônico mas possuem funcionários que realizam trabalho externo?
 

   Nesse caso, as empresas devem utilizar a papeleta de serviço externo prevista no art. 13, parágrafo único, da Portaria MTE 3.626/1991.

 
   52. Quando os empregadores usuários de SREP deverão se cadastrar no MTE?
 

   Brevemente o MTE tornará dispon&íacute;vel página da internet para que os empregadores usuários do SREP façam seu cadastro, conforme o Art. 20 da Portaria MTE 1.510/2009.

 
   53. A Portaria MTE 1.510/2009 define o método que o REP utilizará para a identificação do empregado, tal como cartão magnético ou biometria?
 

   Não, cada fabricante poderá escolher o método que julgar mais conveniente.

 
   54. Os arquivos eletrônicos mencionados na Portaria MTE 1.510/2009 devem ser impressos?
 

   Não, o AFD será obtido pelo fiscal do trabalho diretamente no REP, já o AFDT e o ACJEF devem ser fornecidos à fiscalização em meio eletrônico imediatamente quando requisitados.

 
   55. O programa de tratamento poderá ter outras funcionalidades e gerar outros relatórios que não os obrigatórios?
 

   Sim, o programa de tratamento pode ter outras funcionalidades, desde que não proibidas pela Portaria MTE 1.510/2009.

 
   56. Se, fora o intervalo previsto no art. 71 da CLT, a empresa concede aos empregados outros intervalos para lanche, esses intervalos devem ser registrados no REP?
 

   Os intervalos não deduzidos da duração do trabalho não devem ser registrados no REP.

 
   57. O REP poderá ser mudado de estabelecimento?
 

   O REP poderá ser movimentado. Quando houver alteração do local da prestação do serviço, essa informação deverá ser assinalada no equipamento, conforme Art. 5º e 6º da Portaria MTE 1.510/2009.

 
   58. Quais os sistemas que se enquadram no SREP?
 

   Aqueles em que sejam usados meios eletrônicos para identificar o trabalhador, tratar, armazenar ou enviar qualquer tipo de informação de marcação de ponto.

 
   59. Um empregador que use o registro de ponto manual ou mecânico e posteriormente digite esses dados em computador para apuração está enquadrado na Portaria MTE 1.510/2009?
 

   Não, se o registro do ponto for manual ou mecânico não há enquadramento na Portaria MTE 1.510/2009.

 
   60. A Portaria MTE 1.510/2009 define uma quantidade máxima de trabalhadores que utilizarão cada REP?
 

   Não. Se a opção for pelo Registro Eletrônico de Ponto, é responsabilidade do empregador disponibilizar equipamentos em quantidade e capacidade suficiente para atender aos empregados. é também responsabilidade do empregador manter o equipamento com o papel necessário para a quantidade de registros que serão efetuados.

 
   61. Quando deverá ser emitida a Relação Instantânea de Marcações, prevista no inciso IV do caput do art. 7° da Portaria MTE 1.510/2009?
 

   A Relação Instantânea de Marcações é documento previsto para o uso da Fiscalização do Trabalho. O REP deverá dispor de comando, a ser acionado pelo Auditor Fiscal do Trabalho, para permitir a impressão dessa relação durante a inspeção.

 
   62. Enquanto a exigência para uso do REP não entrar em vigor, é permitido o registro de ponto por terminal de computador?
 

   Sim.

 
   63. A porta fiscal do REP pode ter outra função além de “gravação do AFD em dispositivo externo de memória”?
 

   Não. Essa porta é para uso exclusivo da fiscalização. O REP deverá ter outros conectores para o intercâmbio de dados.

 
   64. Como e quando devem ser registrados os intervalos quando esses são pré-assinalados?
 

   Os intervalos pré-assinalados serão registrados utilizando-se o Programa de Tratamento e deverão constar do AFTD. Neste arquivo os horários relativos aos intervalos pré-assinalados serão listados nos registros de detalhe onde o campo 9 deverá ser preenchido com “P”.

 
   65. Quais são os documentos, relatórios e arquivos que o empregador deverá fornecer à fiscalização do trabalho, segundo a Portaria MTE 1.510/2009?
 

a. AFD – Arquivo Fonte de Dados – gerado diretamente pelo REP mediante comando do auditor-fiscal do trabalho;
b. Relatório Instantâneo de Marcações – gerado diretamente pelo REP mediante comando do auditor-fiscal do trabalho;
c. AFDT – Arquivo Fonte de Dados Tratados, quando solicitado pelo auditor-fiscal do trabalho;
d. ACJEF – Arquivo de Controle de Jornada para Efeitos Fiscais, quando solicitado pelo auditor-fiscal do trabalho;
e. Relatório Espelho de Ponto, quando solicitado pelo auditor-fiscal do trabalho;
f. Atestado Técnico e Termo de Responsabilidade fornecido pelo fabricante do REP. Um para cada equipamento utilizado pelo estabelecimento, quando solicitado pelo auditor-fiscal do trabalho;
g. Atestado Técnico e Termo de Responsabilidade fornecido pelo desenvolvedor do programa de tratamento, mesmo que seja desenvolvido internamente pela empresa, quando solicitado pelo auditor-fiscal do trabalho.

 
   66. As faltas abonadas, licenças e per&íacute;odos de férias devem ser listadas no ACJEF e no Relatório Espelho de Ponto?
 

   Não, apenas os dias em que o trabalhador deve cumprir jornada devem ser listados. Observe que as faltas, sejam parciais ou integrais, devem constar do ACJEF e do Relatório Espelho de Ponto.

 
    67. No caso da empresa que utilize ponto eletrônico, mas ainda não implantou o REP, como será gerado o AFDT?
 

   O AFDT é gerado tomando como base os dados originais de registro de ponto, assim, enquanto o REP não for implantado, AFDT deverá ser gerado a partir do conjunto de dados do sistema de ponto eletrônico em uso. Nesse caso o campo 06 do registro de detalhe será preenchido com zeros.

 
   68. O empregador deverá manter o AFDT e o ACJEF relativos a cada mês de apuração armazenados à disposição da fiscalização ou poderá gerá-los sob demanda?
 

   As duas opções são válidas, porém, caso o empregador resolva gerá-los a partir do pedido da fiscalização, a produção desses arquivos deve ser imediata, no momento em que forem solicitado

 

s pelo auditor fiscal.

 
   69. O empregador que já utiliza o ponto eletrônico pode voltar a utilizar o sistema manual ou mecânico de anotação de jornada?
 

   Sim.

 
   70. O MTE fornecerá modelo do "Atestado Técnico e Termo de Responsabilidade"?
 

   Não. O atestado emitido pelo fabricante de REP ou de programa de tratamento deverá observar o disposto nos artigos 17 e 18 da Portaria MTE 1.510/2009.

 
   71. Como o empregador deve proceder no caso de uma marcação incorreta ou da falta de registro de ponto?
 

   Esses casos devem ser atendidos pelo programa de tratamento e documentados no AFDT. Na situação de marcação incorreta, ou seja, quando o empregado marcar uma entrada ou sa&íacute;da sem ter realmente entrado ou sa&íacute;do do trabalho ou quando o fizer em duplicidade, esse registro deve ser sinalizado como marcação desconsiderada (‘D’) no campo 7 do AFDT e na justificativa a ocorrência deve ser explicada. Se houve falta de marcação de ponto, deve ser inclu&íacute;do no AFDT o correto horário de entrada ou sa&íacute;da do empregado, bem como a justificativa para a omissão da marcação, e o campo 9 dever ser informar que aquela marcação foi inclu&íacute;da (‘I’).

 

 
   72. Quais são as “marcações indevidas” citadas no art. 12, parágrafo único, da Portaria MTE 1.510?
 

   São aquelas que não correspondem efetivamente a entrada ou sa&íacute;da do trabalho, ou aquelas feitas em duplicidade.

 
   73. Qual a quantidade m&íacute;nima de empregados no estabelecimento para que o registro de ponto torne-se obrigatório?
 

   Continua válido o art. 74, § 2º, da CLT. Ele determina que “Para os estabelecimentos de mais de dez trabalhadores será obrigatória a anotação da hora de entrada e de sa&íacute;da, em registro manual, mecânico ou eletrônico”. Observe-se que norma coletiva pode obrigar o estabelecimento empregador a efetuar o registro de ponto, mesmo com número de empregados inferior a 11.

 

 

   74. Os estabelecimentos com até 10 empregados, portanto desobrigados do registro de ponto, se optarem pelo registro eletrônico, deverão seguir a Portaria MTE 1.510/2009?
 

   Sim.

 
   75. Quando a marcação estiver dentro da tolerância prevista no Art. 58, § 1º, da CLT, o horário deve ser corrigido no AFDT?
 

   Não, o horário da marcação deve ser mantido como foi registrado.

 
   76. Como preencher os campos de horas extras e de saldo de horas a compensar do item 3.3 do Anexo I da Portaria MTE 1.510/2009 (Detalhe ACJEF)?
 

 Fonte:(www.henry.com.b)

 

Tags:

Parceiros e Homologados | Perguntas Frequentes

Final da Copa do Mundo foi evento mais twittado da história

by Fabio 18. julho 2010 06:15
Gráfico mostra atividade no Twitter durante jogos da Copa.
A final da Copa do Mundo entre Espanha e Holanda, no dia 11 de julho, foi o evento mais twittado da história.

De acordo com um post publicado nesta sexta-feira (16) pela equipe do Twitter, o jogo representou o maior período de atividade no microblog durante um evento. Ao longo da partida, pessoas de 172 países postaram mensagens escritas em 27 línguas. Nos últimos 15 minutos, a média de tweets por segundo foi de 2 mil.

Após o gol que deu o título para a Espanha, o número chegou a 3.051 tweets por segundo. No momento do gol de Iniesta, twitteiros de 81 países postaram mensagens em 23 idiomas. Apesar de a final ter mantido o maior número de tweets durante um evento, o pico recorde continua sendo o registrado na partida entre Japão e Dinarmarca, no dia 24 de junho: 3.283 mensagens por segundo.

Um infográfico em ondas mostra a atividade no Twitter durante a Copa do Mundo. As áreas das "ondas" ocupadas pelas bandeiras mostram o volume de mensagens com as hashflags (hashtags criadas especificamente para a Copa com as bandeiras dos países, como #esp, #bra e #usa). No gráfico, é possível visualizar que, até ser eliminado, o Brasil foi um dos países da Copa mais comentados no Twitter. Durante a final, a Espanha teve mais menções no Twitter do que a Holanda.

Fonte:(g1.globo.com)

Tags:

Novidades Tecnológicas

Novo game de Mega Man promote revolucionar a franquia da Capcom

by Fabio 18. julho 2010 06:11

Novo game de Mega Man promote revolucionar a franquia da Capcom

Cena do vídeo de apresentação 'Mega Man universe'.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A produtora Capcom anunciou nesta sexta-feira (16) um novo game do famoso personagem Mega Man, afirmando que o novo título irá revolucionar a franquia. O objetivo da empresa e do produtor de "Mega Man universe", Keiji Inafune (de ‘Dead rising’), é trazer uma experiência criativa inédita para a série do pequeno robô azul.

O vídeo de apresentação revela alguns dos elementos de "Mega Man universe" que será lançado por meio de download para o PlayStation 3 e para o Xbox 360. Nele, Mega Man interage com outros personagens da Capcom como Ryu, de “Street fighter”, e Arthur, de “Ghosts ‘n goblins”, o que leva a crer que heróis clássicos da empresa poderão aparecer no título.

A Capcom promete apresentar novos detalhes sobre o game durante a feira Comic-Com, que acontece na cidade de San Diego, nos Estados Unidos, entre os dias 22 e 25 de julho.

Fonte:(g1.globo.com)

Tags:

Novidades Tecnológicas

Periféricos podem carregar vírus

by Fabio 13. julho 2010 03:56

Periféricos podem carregar vírus e danificar seu computador

Basicamente qualquer periférico do seu computador pode carregar as pragas virtuais Foto: Divulgação

Basicamente qualquer periférico do seu computador pode carregar as pragas virtuais
Foto: Divulgação

Em uma definição rápida: vírus são arquivos maliciosos, programados por usuários mal-intencionados que desejam danificar os computadores alheios. Um tipo muito comum de arquivo malicioso é o Trojan (ou Cavalo de Troia), que se instala nas máquinas a fim de roubar informações fornecidas pelos proprietários.

Mais detalhadamente, os trojans abrem portas do computador para que seja possível acessá-los em locais remotos e, assim, roubar senhas e dados pessoais. Se os dados forem usados para invadir contas de email, os danos podem ser menores, mas quando usados para roubar senhas de bancos, tudo fica ainda mais complicado.

Mas se você acha que esses capetinhas cibernéticos podem se instalar apenas no disco rígido, está muito enganado. Isso porque alguns engenheiros-pesquisadores da Royal Military College de Ontário, Canadá, conseguiram desenvolver circuitos integrados a interfaces USB que permitem o roubo de informações dos computadores.

Mas como assim?
Os computadores de hoje reconhecem dispositivos conectados às portas USB sem problemas. Esses dispositivos são instalados rapidamente, devido ao recurso Plug-and-play que o Windows proporciona desde a versão 95. Se você trocar o componente por outro de mesmo modelo, a máquina o reconhecerá como sendo o mesmo de antes.

Isso seria uma grandíssima vantagem, não fosse o fato de isso dar margens para invasões via hardware. Se durante o período em que você não está em frente ao computador alguém trocar o seu componente por outro igual, você não perceberá.

O Windows instala os drivers dos dispositivos e os reconhece pelo modelo de série. Ou seja, todos os teclados ou mouses (ou qualquer outro dispositivo USB) fabricados de um determinado modelo possuem dados iguais de identificação e, por isso, são reconhecidos como se fossem o mesmo item.

Caso esse dispositivo semelhante ao seu contenha dados maliciosos, as informações do seu computador serão enviadas para servidores remotos, da mesma maneira que ocorre com os comuns trojans de software.

Em suma, qualquer dispositivo USB programado pode ser uma porta aberta para invasões de usuários mal intencionados. Mas não é preciso entrar em pânico, porque não é qualquer um que consegue transformar teclados, mouses, webcams e impressoras em grandiosas armadilhas virtuais.

Como me proteger?
O melhor a fazer é sempre comprar dispositivos em lojas conhecidas e confiáveis. Assim você evita a aquisição de produtos que possam ter sido modificados para armazenar informações pessoais e enviá-las para servidores remotos. Além disso, esteja de olho em quem tem acesso ao seu computador. Conhecer os componentes conectados a ele é sempre uma ótima opção.

Fora isso, nunca se esqueça de manter os antivírus e firewalls atualizados, pois os arquivos maliciosos tradicionais (aqueles via software) ainda existem e estão sendo cada dia mais disseminados por emails, links falsos e tantas outras formas de proliferação.

 

Fonte:(http://tecnologia.terra.com.br)

Tags:

Novidades Tecnológicas | Windows e Utilitários | Materias

Designer cria o conceito da câmera-carimbo

by Fabio 13. julho 2010 03:52

Fim da impressão: designer cria o conceito da câmera-carimbo

O conceito do aparelho foi criado pelo designer Jinhee Kim Foto: Divulgação

O conceito do aparelho foi criado pelo designer Jinhee Kim
Foto: Divulgação

Câmeras digitais estão ficando cada vez mais avançadas, máquinas que têm GPS integrado, dois visores LCD, projetor de vídeo, etc. Mas a busca por um diferencial nunca acaba.

Stampy Digital Camera é um conceito do designer Jinhee Kim que, com certeza, chama a atenção. Logo após fotografar, é possível transformar a imagem em um carimbo e estampá-la onde quiser!

O corpo da câmera é semelhante a um carimbo normal. A lente está na parte utilizada para pressionar o carimbo contra o papel. Observe nas imagens o corpo do carimbo - onde a fotografia se forma - e seu suporte. A parte onde está o visor LCD é destacável, e o carimbo com a almofada de tinta fica entre o visor e a lente.

Após fotografar o objeto, é necessário destacar a parte do visor LCD para pode carimbar a imagem, que fica nas cores branca e vermelha. A tinta não fica dentro da câmera, você deve inserir a quantidade necessária na almofada para carimbar.

Como esta câmera ainda é um conceito, não temos mais informações de como exatamente ela funciona. Ainda não é possível determinar que tipo de tinta ela utiliza e se ela pode criar imagens em outras cores. Além disso, como será a conexão do visor com a lente?

Algo que pode ser observado é que será necessário limpar a lente sempre que utilizar o carimbo, pois ela é a forma de pressionar a imagem contra o papel. Não vemos, nas imagens, nenhum tipo de cobertura para a lente.

De qualquer forma, este é um conceito inovador e que, com certeza, vai virar sonho de consumo de muitos usuários. A possibilidade de imprimir a imagem imediatamente após a produção da foto é algo que encanta e remete ao sucesso das câmeras Polaroid.

Podemos até imaginar fotografias estampando cadernos, agendas, camisetas e murais. Nem todas as fotos podem ficar boas - especialmente aquelas com muitos detalhes - mas o divertido aqui é carimbar suas fotografias onde quiser!

Fonte:(http://tecnologia.terra.com.br/)

Tags:

Novidades Tecnológicas

Evento Lançamento Softwares Ciminos

by Fabio 13. julho 2010 03:33

Lançamento Softwares Ciminos

Neste video, Vamos mostrar, eventos que nós da Ciminos Participamos

 

Tags:

Eventos Ciminos | Videos

Software ComerSYS - Controle Seu Comercio !

by Fabio 13. julho 2010 03:06

Software ComerSYS

Nesta Matéria, Vamos Acompanhar como Funciona o ComerSYS, 

Sistema de Gestão Comercial

gerencie seu comercio com precisão com o ComerSYS .

Até o proximo Tuto Ciminos

Tags:

ComerSYS | Videos

Alterando Tipo de Pagamentos no Caixa Diário

by Fabio 9. julho 2010 07:55

Alterando Tipo de Pagamentos no Caixa Diário

Para Alterar o Tipo de Pagamento já Realizado,

Ferramentas / Ferramentas Caixa / Mudar Pagamento Caixa:

  

Ao Abrir a tela , selecione a data que foi feita a operação

Achando a operação, Clique no quadrado em frente  a venda que vai ser mudada,

ao selecionar a venda o botão de alterar habilitará

selecione o novo tipo de pagamento e Confirme o operação

 

pronto a operação esta Alterada

Até o Próximo Tuto Ciminos ..

Tags:

ComerSYS

Alterando Dados nos Produtos

by Fabio 9. julho 2010 05:25

Alterando Dados nos Produtos

d Para alterar o itens de estoque, entre em

Estoque / Cadastro / Manutenção 

 

Ao entrar nesta tela, você pode buscar o produto a ser modificado pelo codigo de Barras ou pelo Nome Produto

  

quando produto ser achado, Clique no quadrado de Inicio do Produto:

 

todos os itens serão Preenchidos Automaticamente

 

Clique no Campo deseja do e faça a alteração

 

Pronto Produto alterado

Até o Próximo Tuto Ciminos ...

Tags:

ComerSYS

HD bonitão da Seagate guarda 500 GB

by Monick 6. julho 2010 21:23
 

HD bonitão da Seagate guarda 500 GB

O modelo Replica tem belo design e bom desempenho na transferência de dados



 
 

 
Replica Ficha técnica
  • 500 GB > USB > 14,3 x 9,8 x 1,5 cm > 210 g
O HD externo Replica, da Seagate, agrada tanto pelo design quanto pelo desempenho. Por fora ele conta com belo visual, revestimento emborrachado na parte inferior para não sambar em cima da mesa e apoio para ficar em pé. Com 500 GB para armazenar dados, o dispositivo é rápido na transferência de arquivos. Seu maior problema é o preço de 1,30 real por gigabyte, muito acima da média. Ele custa 649 reais.

Durante os testes do INFOLAB, o tempo de acesso ao disco de 2,5 polegadas foi de 19,9 milissegundos (média entre leitura e escrita), um ótimo resultado. Já a taxa de transferência média foi de 33,2 MB/s. Um ponto fraco desse equipamento é a necessidade de usar duas portas USB num laptop ou desktop para alimentação.

A parte de cima do HD externo é prateada e fosca. Atrás, ele é preto e tem superfície emborrachada. O formato é retangular e arredondado nas pontas de cima. O dock que acompanha o modelo é elegante, com acabamento em preto brilhante, e fica firme na mesa. Quando o disco está funcionando, um LED azul pisca.

O software que auxilia nas transferências e faz backup automático dos arquivos funciona bem. Ele ocupa 5 MB no sistema e não pede muito processamento da máquina. Seu visual, no entanto, não é dos mais intuitivos. A interface de controle também não possui um leque variado de opções para usuários avançados.
 
 
 

Tags:

Novidades Tecnológicas

Vinculando Cliente nas Vendas da Empresa

by Fabio 6. julho 2010 07:43

Vinculando Cliente nas Vendas da Empresa

 O Sistema ComerSYS é Completo, Sempre pensando em Melhorar a produção.

As Vendas Realizadas, é possível Vincular o cliente para uma consulta de Seu Histórico.

com isso a empresa pode ter as vendas dos Clientes e também saber qual o melhor Cliente

para uma estatística de Produção. 

para isso na hora da Venda Balcao, irá aparecer se deseja selecionar o cliente,

Se Caso SIM então selecione o nome do Cliente e Clique no + 

 

  Pronto a venda já esta direcionada para o Cliente Selecionado e Salvo.

 

Para Consultar as vendas dos Clientes, Clique em Relatório - Cliente -

Histórico de Compras.

 

Selecione o Cliente e depois o período de Compra.

No sistema irá aparecer o extrato de cada compra dos Clientes.

 

Tongue out Até Mais com mais um Tuto Ciminos !

 

 

Tags:

ComerSYS

Mandando Email para Clientes pelo ComerSYS

by Fabio 6. julho 2010 07:00

 Mandando Email para Clientes pelo ComerSYS

Para mandar E-mail para os aniversariantes do mês, é simples:

no Menu Relatório - Clientes - Data de Aniversário

 

Selecione as Datas desejadas e Clique na lupa:

para selecionar, clique no quadrado cinza do lado do nome e Clique no +

 

Configure seu texto conforme sua necessidade e depois Clique no botão Dispara.

 

Após Enviado ira aparecer a confirmação e pronto seu cliente deve receber um Email com

este padrão:

 

com isso, Cliente e Empresa estão integrados .

Tongue out Até o próximo Tutorial ...

Tags:

ComerSYS

Buscar Estoque entre Lojas

by Fabio 6. julho 2010 06:44

Buscar Estoque entre Lojas

o Sistema ComerSYS, tem uma ferramenta muito importante de integração de lojas ou consulta de Estoque

para fazer uma consulta de Estoque utiliza a barra na parte de Baixo do sistema.

 

Digite o código de Barras no Campo Indicado e Clique na lupa.  

Selecione a loja que pertence a rede, para consultar a quantidade , Preço e o Nome do Produto.

e boas Vendas !

Tongue out Até o proximo Tutorial ...

 

 

Tags:

ComerSYS

Nova Barra de Controle ComerSYS

by Fabio 6. julho 2010 06:20

Nova Barra de Controle ComerSYS - Action Fast

Os Sistemas da Ciminos estão com sempre inovando

o sistema de controle de Bandeja é uma maneira rápida para

fazer operações sem estar com o programa na tela. 

 

Ao minimizar o programa, Na Barra do Lado do Relógio, fica o dispositivo em estado de

 Espera, conforme próxima imagem:

para Restaurar o programa , é só clicar duas vezes no ícone na bandeja que o programa volta para o centro da tela,

ou usar o menu clicando com o botão direito no ícone da bandeja.

 

neste menu é possível restaurar a tela para modo normal,

Usar as operações de Caixa ,Retirada,Mensalista e Fechamento diário.

tudo bem rápido para agilizar seu trabalho

Essa é a ferramenta Action Fast.

Tongue out Até a próxima em mais um tutorial... 

 

 

Tags:

ComerSYS

Sistema de Backup ComerSYS

by Fabio 6. julho 2010 06:04

Sistema de Backup ComerSYS

O Sistema ComerSYS, está com um novo sistema de Backup de Arquivos

uma nova tecnologia a serviço  dos usuários.

 

 

as novidades do backup que realiza obrigatoriamente tanto no botão sair como no botão X para fechar,

o dispositivo  inicia o backup Automático.

  

 

 

aparecerá a tela de confirmação , o usuário Clica no 'OK' para dar continuidade

 

o sistema também conta com o serviço automático de Backup 

 

 

com o sistema em execução, os Backup dão inicio nos Horários:

12:00 PM e também as 18:00 PM 

 

 

Gerando o arquivo para gravar em uma Mídia

 

 

 

Tags:

ComerSYS

Powered by BlogEngine.NET 1.5.0.7
Theme by Mads Kristensen

Fabio Cimino

Analista Programador .Net

                       A mais de uma década na Ciminos Solution como coordenador de projetos da Fábrica de Software.

cimino@ciminos.com.br